(19) 3877-2579 [email protected]
Escolha uma Página

Como ajudar alguém que recusa o tratamento?

A dependência química é caracterizada como um transtorno mental e faz com que um indivíduo se torne escravo das drogas. Isso porque, ela é uma doença bastante complexa e, quando desenvolvida, acaba afetando a parte orgânica do indivíduo, ou seja, o seu caráter e a sua mente.

Com isso, por muitas vezes, ele acaba recusando ajuda e não quer ser tratado. Você conhece alguém que enfrenta esse problema?

No entanto, familiares e amigos, preocupados, procuram entender os motivos que levam o dependente químico a recusar o tratamento. O fato é que existem vários fatores que impedem o tratamento e compreendê-los é o primeiro passo para ajudá-los de forma mais eficiente. 

Quer aprender como ajudar um dependente mesmo quando recusa tratamento? Então, continue conosco! 

Entenda por que o dependente recusa o tratamento

A dependência química, além de ser um dos maiores problemas de saúde pública atualmente, é uma doença crônica e psicológica. Ela faz com que o dependente reflita e veja que é mais fácil continuar com o vício do que enfrentar as fortes crises de abstinência. Esse, aliás, é um dos maiores fatores que impedem a mudança de hábitos e, consequentemente, a recuperação.

Além disso, outro ponto que precisa ser considerado quando o indivíduo não quer ser tratado é o preconceito que ele enfrentará diante da sociedade. Inclusive, por diversas vezes, o dependente é julgado pelos próprios familiares. Por isso, faz-se necessário, cada vez mais, entender os motivos da recusa do tratamento.

Mais um motivo extremamente importante é a falta de informação. Por não saberem como lidar, muitas pessoas acabam deixando o dependente de lado e essa falta de carinho e amor impede a eficácia do tratamento. Por isso, precisamos ressaltar que o que o indivíduo precisa é de suporte físico, emocional e espiritual — e não de julgamentos e preconceitos, sem apontar o dedo!


Confira quais são os 4 passos quando o dependente recusa o tratamento


Seja como for, agora que você já conhece algumas razões pelas quais um indivíduo dependente não quer ser tratado, veremos como você pode fazer para ajudá-lo da melhor maneira possível. 

No entanto, vale ressaltar que a pessoa que sofre com esta doença pode acreditar que não esteja doente. Logo, toda abordagem deve ser planejada com amor e carinho a fim de obter resultados satisfatórios. 


1. Invista no diálogo 

Antes de mais nada, o primeiro passo para ajudar um indivíduo quando recusa tratamento é o diálogo. Antes de qualquer ação, procure entender se o indivíduo reconhece que necessita de ajuda.

Caso a resposta seja negativa, com muita empatia e amor, sutilmente, mostre que sim, ele precisa de ajuda e você está pronto para ajudá-lo porque deseja o melhor para ele.

Por isso, converse com o dependente, tente mostrar a ele a realidade e o que está vivendo ao lado das drogas, os perigos que sua vida corre e o sofrimento que a família também passa com a codependência. Essa conversa inicial é a porta de entrada para ajudar o indivíduo. 


2. Não deixe ele ser a vítima! 

Na dependência química, é bastante comum o dependente sentir autopiedade.

Além disso, ele se apresenta como vítima de sua própria doença. Porém, o caminho é reconhecer o erro e aprender com ele, entender que a dependência química pode ser tratada. No entanto, ele precisará compreender os seus gatilhos e mudar sua rotina para que isso aconteça.

Uma outra opção para que ele não se veja como vítima é mostrar ao dependente, caso você o conheça há mais tempo, como a sua vida era antes das drogas e como ela é hoje em dia (sempre de forma amável). Mostrar o antes e o depois pode ajudá-lo a entender melhor a realidade dele. 

Da mesma maneira, você pode ajudar a apresentar uma expectativa positiva de futuro, longe das drogas, para que ele se sinta motivado em querer largar o vício.


Dúvidas?

Entre em contato por nosso WhatsApp!


3. Procure ajuda em grupos de apoio 

Frequentar grupos de apoio é uma parte fundamental no processo de tratamento da dependência química.

Eles são espaços onde é possível ouvir histórias de outras pessoas que vivem em condições semelhantes, além de compartilhar as suas – sem qualquer preconceito e julgamento. Afinal, “Quem não tem pecado que atire a primeira pedra” (João 8:7).

Os grupos de apoio são ambientes dedicados a auxiliar os dependentes neste momento delicado de suas vidas. Além disso, é um espaço importante porque eles podem sanar quaisquer dúvidas e reconhecer que, sim, precisam de ajuda e que estão no lugar certo. 

Por isso, pedir para eles participarem de grupos de apoio é uma excelente alternativa. Acolhimento é o sinônimo destes lugares, pois todos que estão lá enfrentam (ou enfrentaram) os mesmos problemas! 


4. Invista no acompanhamento psicológico 

O acompanhamento psicológico é muito importante para um indivíduo quando recusa tratamento. Afinal, como dito anteriormente, esta doença pode ser ocasionada por diversos fatores, como físicos e mentais. Por isso, procurar ajuda profissional é a melhor alternativa para ajudar quem você ama.

Ademais, vale ressaltar que o atendimento para tratar a dependência química não pode ser realizado apenas por um profissional. Essa é uma doença que requer um tratamento multiprofissional, onde vários especialistas irão elaborar o melhor plano terapêutico a fim de garantir uma melhor qualidade de vida para o dependente e, sem dúvida, para seus familiares e amigos. 


Conheça quais são os tipos de internações da Huxley


A Clínica de Recuperação Huxley oferece um tratamento de excelência baseado no amor ao próximo. Sendo referência no tratamento de dependência química e depressão em todo o Brasil, a Huxley tem uma equipe completa de profissionais que dão total assistência aos nossos pacientes. 

Dentre os tipos de internação, temos a internação voluntária e a involuntária. Entenda mais sobre elas.


Internação voluntária

A internação voluntária se dá quando o indivíduo dependente entende que não tem mais o controle sobre o seu vício e muito menos sobre as suas reações. Com isso, ele aceita a ajuda e procura uma casa de recuperação para mudar totalmente a sua vida e seus hábitos.


Internação involuntária

A internação involuntária, por outro lado, é aplicada quando o dependente químico não tem mais o discernimento de seus atos e representa um perigo para a sociedade e para as pessoas com quem se relaciona. O abuso das substâncias químicas já alcançou um estágio onde a capacidade psíquica da pessoa está comprometida e, por si só, a pessoa não consegue mais buscar ajuda.

No caso da internação involuntária, ela é acionada por familiares que possuem algum parentesco consanguíneo (pais, filhos, tios, avós, sobrinhos), os quais irão assinar um termo autorizando a instituição a realizar a internação. Aqui, na Huxley, todo esse processo é feito com o máximo de respeito, carinho e segurança, desde a abordagem até o transporte para a Clínica. 

Você gostou de aprender o que fazer quando o dependente recusa o tratamento? Se sim, aproveite e compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais. Assim, você pode ajudar outras pessoas que estejam passando por essa situação. Que tal?


Nós podemos ajudar!

Somos uma clínica de recuperação especializada em remoção de pacientes de forma voluntária e involuntária.


5 1 vote
Article Rating