(19) 3877-2579 [email protected]

O uso de drogas tem sido tema de debate ao longo de toda a história da humanidade. Há cerca de 5 mil anos, os psicotrópicos já estavam inseridos na sociedade. Foi só através dos séculos que se percebeu os efeitos nocivos em longo prazo. Assim, ofuscando a prazerosa sensação que tais substâncias trazem.

Hoje, existe ampla variedade de elementos — naturais ou químicos — usados por pessoas de todas as idades. Algo que também dificulta a informação de qualidade para prevenir o uso.

Uma Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), divulgada pelo IBGE, aponta que os adolescentes — entre 13 e 15 anos — também têm recorrido ao uso de drogas com frequência. De acordo com o levantamento, o consumo de bebidas alcoólicas subiu de 50,3%, em 2012, para 55,5% em apenas três anos.

No mesmo período, o consumo de drogas ilícitas foi de 7,3% para 9%. O impacto desses dados não é apenas imediato: o abuso desde cedo se converte em hábitos que podem nos acompanhar também na vida adulta. Separamos abaixo, 7 passos práticos para que você parar de usar drogas. 

1. Afaste-se de pessoas que influenciam o uso das drogas

Nossas primeiras dicas dizem respeito aos comportamentos e atos que influenciam o uso e abuso de substâncias psicotrópicas. Afinal, existe sempre uma porta de entrada que facilita o acesso e permite a recorrência do ato.

Nesse caso, que tal reavaliar a convivência com pessoas que influenciam ou apenas estimulam e reforçam o uso de tais substâncias? Por mais que elas gostem e queiram o melhor para essa pessoa, muitos têm dificuldades em enxergar esse cenário como nocivo para quem procura combater o vício causado pelas drogas.

Dessa maneira, não percebem que o convívio com pessoas que também usam e influenciam essa atitude é prejudicial a elas. 

2. Evite lugares que incentivem o uso

Como um complemento ao primeiro tópico, é bom se afastar por completo de velhos hábitos que remetem ao uso de drogas. E isso envolve também os lugares que você freqüentava e incentivava o uso de psicotrópicos.

Especialmente, quando existe um esforço em interromper o uso. Ao retomar a rotina anterior, a pessoa pode ceder com mais facilidade à tentação de utilizar novamente — ou “uma vez mais, apenas”. A mudança de comportamento é determinante, nesse caso.

Os hábitos impregnam em nossas rotinas e ajudam a reforçar o que levou alguém a procurar conforto nas drogas. Isso inclui pessoas e lugares que remetam ao abuso das substâncias.

3. Afaste-se de drogas lícitas que agregam o uso das drogas ilícitas

A dependência química deve ser tratada com a devida atenção, cuidado e aconselhamento. E, ao tentar se afastar do vício de drogas, de nada adianta recorrer a outros vícios. Ou seja: álcool e cigarros, por mais que sejam lícitos, reforçam o comportamento. Pode ser que não estimulem ao uso de outras substâncias das quais você ou um familiar seja dependente, mas não ajuda a recuperar o controle. A pessoa, nesse caso, está apenas substituindo os nomes, efeitos e consequências causadas pela substância em questão.



4. Reconheça os problemas que estão fazendo você procurar as drogas

É comum que o consumo de drogas esteja associado a um problema — seja ele físico ou psicológico. Como dizem: muitas vezes, a droga é apenas uma válvula de escape. Até por isso, existem diversos motivos que levam um jovem ou adulto a experimentar, como:

• Fugir de problemas e frustrações cotidianos;
• Minimizar a insegurança ou timidez;
• Necessidade de experimentar novas sensações e emoções;
• Enturmar-se;
• Crises de identidade;
• Ausência de perspectivas (pessoais ou profissionais);
• Influência familiar;
• Hereditariedade (estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta a influência genética como característica);
• Insatisfação generalizada.

Além disso, a curiosidade é fator de relevância para o ingresso no consumo de drogas. Por isso, é de suma importância observar quais motivos — que podem se estender além dos citados anteriormente — têm feito você ou um conhecido a mergulhar no abuso de substâncias.

5. Aceitar que você precisa de ajuda

Reconhecer o problema é o primeiro passo. Solicitar ajuda é a etapa seguinte — e, talvez, uma das mais debilitantes. Isso porque as pessoas tendem a negar o problema e sofrem com a expectativa de reconhecê-lo para outras pessoas. O que deve ser feito para minimizar a angústia é demonstrar para a pessoa que ela terá todo o suporte necessário. Na mesma proporção, quem estiver em busca de auxílio deve se abrir, com transparência, às pessoas que ela mais confia.

ebook quanto custa uma clinica de reabilitacao

Quanto custa uma Clínica de Recuperação

Nós podemos te ajudar! Entre em contato conosco. Continue em nosso Blog para mais dicas. Até mais!

Nós ligamos pra você!